terça-feira, 29 de julho de 2008

.Peso da nada. [Por Eliane Stoducto]

.
.

"Sou formada por ausências,
Solitude, abstinências,
Que muitas vezes esmagam
Os gritos do meu silêncio!

Sou feita de mil querenças,
Anseios e transparências,
Que muitas vezes emergem
Com a voragem de um tufão!

Sou fruta verde-madura,
Um travo de fel-doçura,
Aguardente que se traga!
Sigo cerzindo essa teia,
Segurando em minhas veias
Todo o peso deste nada!"
.

segunda-feira, 28 de julho de 2008

E que se dê início aos festejos!

.
Olá, amigo visitante, bem-vindo ao meu blog! Tenho de confessá-lo, de antemão, que relutei muito em fazer este blog que você gentilmente está visitando. Não me pergunte a razão de tamanho disparate porque, assim como você, isso também se faz mistério para mim. Também não me pergunte porque resolvi fazê-lo só agora. Aliás, não pergunte ao menos porque resolvi fazê-lo! Creio não ser de importância primordial os motivos que o fizeram nascer! O importante é que eu sei, aliás, nós sabemos que o blog está aí. Está aí para ser lido. E, por gentileza, peço que, apreciando ou depreciando, gostando ou sentindo asco... Bem, peço que sinta-se à vontade para fazer dele o que lhe for conveniente.
A priori, penso que este blog talvez seja um aborto, pela sua incompletude e visível falta de vida. Mas isso não me parece tão ruim, já que, mesmo sendo um feto, ele precisou de vida pra ser feito e este fato, inevitavelmente, é a prova cabal de que eu ainda carrego algum resquício de vida. Por outro lado, penso que ele também possa ser um pedido de ajuda... Um tímido gritinho de socorro que meus pensamentos, idéias e inspirações emitem desesperadamente, na quase vã tentativa de que eu lhes dê atenção!
Enfim, independente de o blog ser um feto, um grito, um vômito ou um soco... Independente do que ele seja, independente da razão de sua visita ao mundo... Independente das dependências, o que importa, como já dito, é que ele apareceu, tardio, tímido, fraco, quase morto, mas apareceu. E ei-lo para mim e para você. Talvez mais para mim, pouco importa! Deleite-se com os mais belos clichês e com as mais sinceras das postagens que eu já imaginei postar.
Um forte abraço!