terça-feira, 26 de agosto de 2008

Apresento-lhes o estrangeiro!

.
.
.

..


Eu acordo sentindo teu cheiro, depois de passar a noite toda sonhando com a tua boca passeando tranquila e ousada pelo meu corpo nu em pêlo...

Minhas mãos não me lembram outra coisa senão os teus cabelos... Esses mesmos cabelos que me servem de playground onde eu poderia passar todo o meu dia a brincar...

Teus olhos são como labirintos que eu, por desconhecer o caminho, fica perdida numa nova dimensão...

Tua voz é como música p'ros meus ouvidos tão atentos e teu sotaque dá o toque final pra melodia ficar perfeita...

Teu ombro e teu tórax são como colchões que me oferecem os mais deliciosos dos deleites... São aconchegantes mas sugestivos e acabam por me tirar o sono...

Tuas pernas.. Ah tuas pernas! São como correntes que me enroscam, me prendem sem me sufocar... Tu me vens com as chaves nas mãos, mas tudo que eu menos quero é me desvencilhar dessas correntes...

Tu... Tu inteiro me põe em pedaços, me cola, me arde, me dá cor! Tu inteiro me esquenta, me sustenta, me alimenta, me atormenta...
E eu em pedaços, fico cá, te querendo, te comendo, te sendo, te vivendo!



E tudo que eu mais quero é não cometer a loucura de soltar da tua mão...



.

.

.

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Para meus amigos... E para um certo estrangeiro!

.

.
Cigarros, baralhos, telhados, passado...
E o tempo corrói o tempo que testa!
Casos, acasos, descasos, pedaços...
E o tempo destrói o que já não presta!
Amores, rumores, temores, atores...
E o tempo constrói o que mais lhe interessa!
Amizades, verdades, uns bares, detalhes...
E o tempo te mostra que tudo é festa!!!
.

.
Savana Dantas! :)(:





**Uma consideração necessária: "Se você não demorar muito posso esperá-lo por toda a minha vida." [Oscar Wilde]**
.



.

terça-feira, 12 de agosto de 2008

No caminho do banheiro, eis que eu encontro um espelho....


.

.

Esses dias, enquanto andava por aí a esmo, encontre com o Mim.
[Mim é um velho amigo que eu não via há tempos]
Foi completamente sem querer nosso encontro. Eu não tenho o costume de andar por aquelas bandas mas, pra minha sorte, naquele dia eu tinha resolvido mudar o percurso na tentativa de encontrar alguém diferente... E eis que esbarro em Mim. Nossa, tinha tanto tempo que eu não o via... Tava tão bonito, decidido, distribuindo sorrisos e cortejos. Foi um encontro tããão gostoso... Mim me falou por onde havia andado, o que havia feito... Sempre muito alegre e saudoso. Num momento X da nossa conversa, senti uma leve tristeza na voz de Mim e isso aconteceu no momento em que eu perguntei onde ele estava morando. Ele disse, com um nó na garganta que lhe saltava aos olhos, que não tinha lugar pra morar e que era esse o único motivo pelo qual ele não se considerava alguém completamente realizado e, embora fosse gritante o desconforto que esse fato lhe causava, Mim me afirmou com uma veemência apaixonante que estava muito feliz. Eu fiquei boba... Abestalhada mesmo, sabe?! Mim tinha um brilho tão gostoso no olhar que eu senti uma vontade doida de arrancar aqueles olhos e beber um pouco daquela alegria toda que passeava por aquelas órbitas. Por um momento, senti-me tentada a pegar Mim e empurrá-lo garganta abaixo, para que ele se alojasse lá no meu dentrinho... Ao invés disso, ao invés de convidá-lo para morar dentro de mim, convidei-o para morar comigo. Convidei-o para nos somarmos um pouco: eu entrava com a existência e ele entrava com a vida! Mim abriu um sorriso tão largo, que por um momento achei que ele era toda a razão da minha vida – e estava certa (!). Com um “sim” doce e firme, Mim pegou-me pela mão e nós seguimos nosso caminho lado a lado: eu me esvaindo em nervosismo e ele com aqueles passos firmes e aquele ar de superioridade inabalável!
Tenho que confessar algo pra vocês... Estou com-ple-ta-men-te apaixonada por Mim!!!
Ei, mas vê se não conta pra ninguém... Peloamordedeus!!!!
.

.


"Há tanto tempo eu vinha me procurando
Quanto tempo faz, já nem lembro mais
Sempre correndo atrás de mim feito um louco
Tentando sair desse meu sufoco
Eu era tudo que eu podia querer
Era tão simples e eu custei pra aprender
Daqui pra frente nova vida eu terei
Sempre a meu lado bem feliz eu serei
Eu me amo, eu me amo
Não posso mais viver sem mim
Como foi bom eu ter aparecido
Nessa minha vida já um tanto sofrida
Já não sabia mais o que fazer
Pra eu gostar de mim, me aceitar assim
Eu que queria tanto ter alguém
Agora eu sei sem mim eu não sou ninguém
Longe de mim nada mais faz sentido
Pra toda vida eu quero estar comigo
Foi tão difícil pra eu me encontrar
É muito fácil um grande amor acabar
Mas eu vou lutar por esse amor até o fim
Não vou mais deixar eu fugir de mim
Agora eu tenho uma razão pra viver
Agora eu posso até gostar de você
Completamente eu vou poder me entregar
É bem melhor você sabendo se amar"

[Ultraje à Rigor]

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Take note!

.


.
Lição I – Reprimir-se:

Aprenda a não se entregar demais. Aprenda a não oferecer muito.


Lição II – Entregar-se:

Aprenda a não se reprimir demais. Aprenda a não ter medo da entrega.


Lição III - Nivelamento:

Aprenda a medir os ensinamentos das lições I e II. Junte os dois numa panela de discernimento, espere a massa crescer, deixe esfriar um pouco – mas não muito -, divida em dois pratos e sirva: um prato pra você e um prato para o outro! Deleite-se!







**“E aquelas quedas - como as de Cristo que várias vezes caiu ao peso da cruz - e aquelas quedas é que começavam a fazer sua vida.”** [C.L]

***Posso dizer que estou na 3ª fase... What about you???*** :)(:

.

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

.Quase... [Por Elaine Stoducto].

.



.

Quase me perco


nas dúbias sendas

do teu enredo


Quase me rendo

nas negras teias


desse tecido


Quase me afundo


nas águas turvas


Quase me embrenho


na selva escura



Mas saio inteira


e com mais viço



Escapo ilesa


desse feitiço...
.
.
.
.
.
"É bom saber que eu tenho de sobra o que me resta!!" [Q. A.]
.
.
.

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

"Será que tudo que há em mim só quer sentir saudade?"

.
Hoje de manhã deu uma saudaaade! Uma vontade de chorar, sei lá!
Acordei com aquele gostinho de aflição na boca!
Aquela aflição corrosiva, que deteriora toda alegria que parecia estar chegando!
Aquela aflição que fecha todas as portas e te tranca dentro de um recipiente cheio de ácido!
Aquela aflição que causa aquela náusea...
Deu saudade de sentir o cheiro daquele ou daquela que não voltam mais...
Deu saudade de dar um abraço naquele ou naquela que moram tão longe...
Deu saudade de dar aquela velha gargalhada alta, gostosa, que contagia até os móveis...
Deu saudade de sentir a família, tanto os que moram perto quanto os que moram longe...
[Sim, porque os que moram longe parecem estar mais próximos dos que moram perto, já que os que moram tão perto, tão no quarto ao lado, parecem estar à milhas de distância...]
Deu saudade, sabe? Mas não aquela saudade gostosa de sentir, não aquela saudade que você sabe que vai conseguir matar, cedo ou tarde... A saudade que me puxa violentamente pela mão e me arrebata com uma voracidade tremenda é aquela, como eu disse, corrosiva, aflitiva! É aquela que dói e te faz agonizar mais do que aquela flerpa inconveniente que se aloja entre a unha e a carne!
Deu saudade de esquecer o que é a saudade...

[Savana Dantas]


***Guarda estes versos que escrevi chorando, como um alívio da minha saudade, como um dever do meu amor; e quando houver em ti um eco de saudade, beija estes versos que escrevi chorando..." [Machado de Assis]**

.



.

P.S.: O título do post é um trecho de Tom Jobim

.

terça-feira, 5 de agosto de 2008

De mim pra mim!

.

"Corre calma, severina noite,
De leve no lençol que te tateia a pele fina! [...]
Corre alta, severina noite,
No ronco da cidade, uma janela assim acesa!
Eu respiro o teu desejo...
Chama no pavio da lamparina,
Sombra no lençol que te tateia a pele fina!
Ali, tão sempre perto, e não me vendo...
Ali, sinto tua alma a flutuar do corpo...
Teus olhos se movendo, sem se abrir!
Ali, tão certo e justo e só te sendo...
Absinto-me de ti, mas sempre vivo!
Meus olhos te movendo sem te abrir.......!"
[Pedro Luís/Lula Queiroga]


"Porque o corpo mesmo
Está por dentro da pele
E por uma descoberta
Eu sou nua"
[Os novos baianos]


**Um P.S.: Jamais ousei usar com tamanha frequência e
satisfação os pronomes pessoais dos casos reto e oblíquo na primeira pessoa!
Eu, me, mim, comigo...

E, comumente, quando os utilizo em terceira pessoa,
provavelmente também estou falando, intrinsecamente, de mim. É o meu eu-lírico falando comigo ou pra mim!!!!!**

**Outro P.S.: Estou aprendendo isso sutilmente com uma certa
Aline!!**

.

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Eu quero é botar meu bloco na rua!!!


.


Há quem diga que eu dormi de touca,

Que eu perdi a boca,

Que eu fugi da briga,

Que eu caí do galho e que não vi saída,

Que eu morri de medo quando o pau quebrou!


Há quem diga que eu não sei de nada,

Que eu não sou de nada e não peço desculpas,

Que eu não tenho culpa, mas que eu dei bobeira

E que Durango Kid quase me pegou!


Eu quero é botar meu bloco na rua

Brincar, botar pra gemer

Eu quero é botar meu bloco na rua

Gingar, pra dar e vender


Eu, por mim, queria isso e aquilo

Um quilo mais daquilo, um grilo menos disso

É disso que eu preciso ou não é nada disso

Eu quero é todo mundo nesse carnaval...


Eu quero é botar meu bloco na rua

Brincar, botar pra gemer

Eu quero é botar meu bloco na rua

Gingar, pra dar e vender



[A música encaixa-se como uma luva!!!]


.

sábado, 2 de agosto de 2008

Momento "Eu sou feliz": ON

.


Aaaaah, como eu acordei bem hoje! Levantei cedaaaaço, tomei café, entrei no ônibus quase lotado, fui pra faculdade... Cheguei cedo pra aula, comprei um pãozinho de queijo no capricho, um copo de pingado e sentei na pracinha, com aquele cheiro de terra molhada - é, o jardim do bloco tinha acabado de ser regado - acendi um cigarro - ao som de Adriana Calcanhoto - e.. Plim!!! Saí de cena! Saí do cenário faculdade... Saí do cenário externo conflitivo... Saí... Saí de tudo isso pra entrar em mim, livre do mundo! Foi tããão lindo! [Savana suspira nostálgica, feliz...]
Assisti à aula num bom humor que não tá escrito! Depois, passei no mercado, comprei umas cervejas e agora estou em casa, sozinha, ouvindo Arnaldo Baptista, tomando aquela velha cerveja estupidamente gelada, fumando aquele velho Lucky Strike e escrevendo este breve reflexo do meu momento "volta por cima"!
Ai como é bom!
É bom sorrir, é bom chorar, é bom ser... Ser sendo, ser não sendo, ou não ser sendo! É tão bom!
Tudo é tão bom! Até o ruim é bom! [Acho que isso ficou claro na última postagem]
Bem, eu gosto!

**Um parenteses: Hoje eu simplesmente não tô nem aí!!!**
.

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Só uma pequena reflexão avulsa...

.


Ora, um pouco de dor é bom! Quê que há?! Vai dizer que não gosta?! Pois ouça bem, amigo querido, sob esse palanque imaginário, eu confesso, sem um pingo de vergonha: “Eu sofro de quando em quando e até gosto disso!”.
O que eu não gosto é de sofrer com tamanha frequência... O que me causa enjôo é sofrer um pouco mais a cada experiência que passa! Ah, amigo, disso eu não gosto nadinha. Daqui a pouco não haverão mais pedaços em mim aptos para levar facadas. Já não consigo mais nem imaginar onde se pode enfiar mais uma faca nesse meu corpo já tão machucado! Mas as pessoas são criativas...Ah, se são! Sempre arrumam lugares diferentes para acertar, armas diferentes para ferir, cortes diferentes para fazer! E haja criatividade, não!? E haja força e haja coragem e haja falta de respeito e haja cinismo e haja mentira e haja prazer em ver a dor alheia! E haja!





*****Um breve Post Scriptum: Eu sei que as postagens não estão das mais animadinhas ou alegrinhas. Mas, já já isso muda. É que eu estou precisando, à princípio, tirar as nódoas e o lodo que se firmaram por aqui dentro. Quando a faxina tiver pronta, o ambiente vai ficar mais agradável, eu prometo!*****
.